sábado, 27 de agosto de 2016



                                     
                                                        SILÊNCIO


E fecho meus olhos
Mesmo querendo olhar o brilho das estrelas e a claridade da lua
Durmo e sonho 
E com os olhos fechados ainda
Nada posso enxergar
Os braços da noite me abraçam
Porque eu abro meus braços
E deixo a brisa me tocar
Pois eu sei que não posso ver ninguém
E pisando na relva,o orvalho molha meus pés
Porque eu ando de pés descalços
Para que ninguém ouça meus passos
E o vento balança meus cabelos 
Mas meus dedos deslizam neles
Mesmo estando entrelaçados
E tudo em minha volta se cala
E eu encosto meu ouvido na palma da minha mão
E apenas ouço o silêncio do meu silêncio
Mas eu lhe procurarei e lhe acharei
Talvez a sua voz esteja distante
Ou talvez esteja ausente de mim
Nada posso ter
Nada posso oferecer
Nada posso ouvir
Apenas posso sentir
Não me sinto cansada
Ainda posso caminhar em qualquer caminho
Quando eu abrir meus olhos e aqui ainda estiver
Enxergarei o universo com você.
No silêncio da sua voz ouço o meu grito...
Em busca do infinito...

 

 


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário